Sentir não faz de você uma pessoa vulnerável

Desde muito cedo a gente sempre foi ensinado a esconder tudo que estamos sentindo. Não pode chorar para demonstrar fraqueza, não pode estar feliz demais pra não ser chato, não pode comemorar uma conquista para não demonstrar inveja e assim vai.

A mensagem que você recebeu não vai responder na hora para não parecer interessada demais, não vai dizer que ama por medo da resposta do outro, vai dizer sim quando quer dizer não e assim a roda gira, camuflando tudo que está sentindo com medo de parecer qualquer outra coisa frente ao outro.

Sunstripping: o tal blush queimadinho de sol

Desde quando a gente começa a aprender a usar maquiagem que existe uma “regra” máxima: cuidado para não pesar no blush. Coloquei regra entre aspas porque como disse neste post aqui, estamos quebrando muitas delas.

O blush é ainda um assunto delicado para pesar a mão, mas uma tendência bem legal que vem ganhando força no mercado da maquiagem está fazendo com que a gente use o produto de outra forma. Sunstripping é nome dessa maneira de passar blush pegando um pouquinho mais pesado no rosto e imitando um queimadinho de sol.

Algumas maneiras de ajudar outra mulher no dia a dia

A gente foi criada para enxergar outras mulheres como rivais – e isso é notável em várias situações. A gente já se orgulhou de ter mais amigos homens, olhou torto para alguma mulher que usava uma roupa mais bonita que a sua numa festa ou falou mal de uma mulher sem ao menos saber o porquê.

E deixando claro aqui, a gente não precisa amar e idolatrar uma pessoa ruim, com atitudes questionáveis ou que nos faz mal só porque ela é o mulher. A questão é que a gente sempre foi ensinada a estar melhor que qualquer outra mulher no mesmo ambiente em que estamos.

Apesar dessa marca ter sido introjetada nas nossas veias desde sempre, à medida em que vamos desconstruindo este pensamento percebemos que não precisamos ser rivais e o resultado é uma rede incrível de mulheres unidas que vem crescendo a cada dia.

Pensando um pouco sobre novos hábitos

Dias desses eu estava pensando sobre os meus hábitos no dia a dia e fiquei muito chateada comigo mesma. Percebi dois pontos que me incomodam e atrapalham muito: eu sou uma pessoa bagunceira e procrastinadora. 

Acho que o mal de todo mundo hoje é a procrastinação. A gente sabe de tudo que precisa fazer, têm consciência da urgência das tarefas e mesmo assim fica rolando a timeline do Instagram sem nenhum propósito ao invés de cumprir nossa agenda. Junto a isso, vem essa desorganização terrível que faz com que eu perca as coisas dentro da minha própria casa, esqueça compromissos e me perca na minha própria bagunça.

Como eu dependo somente de mim mesma para tirar minhas coisas do papel, percebi que tudo isso está sabotando minha vida, minha carreira e meus planos. Depois de ficar uns 10 minutos me sentindo uma pessoa horrível, percebi que eu também sou a única pessoa que pode mudar isso. Então eu vou me forçar a mudar.